Exibimos propagandas pois acreditamos que todo aquele que produz conteúdo e compartilha conhecimento merece uma fatia da enorme riqueza gerada pela internet.

Lojas de Discos da Rua Augusta

Recentemente tive a oportunidade de explorar as lojas de discos da rua Augusta, na fabulosa capital São Paulo. A primeira visita foi na Augusta Discos (n. 1368). Não haviam muitos vinis, mas o que estavam lá era de calibre. Pelo menos uns 10 do Elvis Presley estavam pendurados na parede, assim como vários posters enormes que chamam a atenção. Lá recebi o folder mostrado na última foto dessa postagem, e com ele desci até o número 560 da mesma rua.







Lá é que o bicho pega de verdade. A Discomania é, de fato, muito recheada. Para ver todo o acervo da loja há que se passar bastante tempo garimpando. A organização dos vinis é um pouco estranha, mas ao mesmo tempo eficaz. Tem uma sessão grande de discos nacionais de rock e pop usados por ordem alfabética e até por banda/artista para aqueles mais consagrados, o mesmo para importados do mesmo estilos. Também há vastas prateleiras de jazz, música latina, mpb e outros estilos. Alguns títulos estão em locais de pouco acesso, sinal que muitos tesouros se escondem por ali. Bom atendimento e preços variados, algumas coisas quase baratas (como um Hendrix importado de primeira prensagem por 80 reais) e outras mais altas do que deveriam (como um Presence, do Led Zeppelin, nacional e nem muito bem preservado por 120 reais).





Subindo a rua novamente, logo após atravessar a avenida Paulista, na rua ainda encontrei um ambulante com alguns discos expostos na rua. Não tirei foto, mas tinha um Jimmy Smith que coçou minhas mãos, só que o preço não estava convidativo. E depois de alguns metros achei a Sensorial Cervejas e Discos. A loja tem uma proposta interessante, e não poderia seria diferente, pois junta coisas que combinam muito: música, bar, comidas e bebida. Lá se vendem apenas discos novos, mas muito bem selecionados e com preço normal para nossos padrões brasileiros. Não tomei uma nem comprei nenhuma bolacha, mas certamente volto na primeira oportunidade.



Abaixo o panfleto que indica o endereço das duas primeiras das lojas postadas aqui e mais algumas outras da nossa grande metrópole do vinil.

Um comentário:

  1. Ótima postagem e fotos! Não sabia que a Rua Augusta era tão vasta de lojas. Vale uma visita futura. A Sensorial já havia comprado um disco lá por reserva, não a conhecendo tampouco (apenas da feira de discos do RJ). Valeu!

    ResponderExcluir