Exibimos propagandas pois acreditamos que todo aquele que produz conteúdo e compartilha conhecimento merece uma fatia da enorme riqueza gerada pela internet.

Nilson Almeida

Abrindo espaço no blog para divulgar o trabalho do amigo Nilson Almeida, músico da cidade de Alegre - ES. 

Para baixar o compacto duplo acesse este link do mediafire. E querendo entrar em contato com o autor escreva para nilsonatj_1978@yahoo.com.br

Sucesso, Nilson!



Golpe de Mestre (Trilha sonora)

Acho que é impossível alguém ouvir Scott Joplin e não gostar. A pessoa pode até ficar indiferente ao som, mas se incomodar com esse maravilhoso início do jazz não dá. A maioria das músicas desse disco são composições de Joplin apresentadas por uma orquestra super afiada. As poucas que não são seguem no mesmo estilo. Em suma, um lindo disco, pra ouvir do começo ao fim com muito prazer.


Festival de Bang Bang - Orquestra Brasileira de Espetáculos

Nada fácil saber detalhes sobre a Orquestra Brasileira de Espetáculos. E provavelmente isso tem a ver com o Roberto Carlos, como indica o Edimilson Mendes numa das raras menções a esse grupo de músicos. É uma lástima essa falta de informações pois os caras eram bons. Esse disco abaixo traz interpretações no clima faroeste, desde aquelas tardes de amor embaixo da árvore, até um ou outro tiroteio. Bem legal!




Gone With The Wind (E o Vento Levou) - Trilha Sonora

Um clássico gigantesco merece que sua trilha sonora tenha uma produção de mesmo porte. E assim foi feito para "Gone With The Wind" (no Brasil, "E o Vento Levou"). Tudo é grande nesse filme lançado em 1939. Sua filmagem foi adiada por 2 anos devido à obsessão do produtor David O. Selznick em encontrar sua Scarlett perfeita. Para isso entrevistou mais de 1400 mulheres candidatas ao papel. Três diretores diferentes trabalharam nesse drama de 238 minutos.  

"Além de ter sido um sucesso de crítica, o projeto também obteve destaque no campo comercial, convertendo-se no filme com maior arrecadação até então, com 390 milhões de dólares obtidos, e mantendo tal êxito por mais de 25 anos. Com os ajustes da inflação, é o filme mais bem sucedido da história, com mais de três bilhões de dólares arrecadados."

"Com 13 indicações ao Oscar, …E o vento levou tornou-se o segundo filme com o maior número de indicações ao prêmio, ficando atrás apenas dos empatados A malvada, de 1950, Titanic, de 1997, e La La Land, de 2016, que foram indicados a 14 categorias do Oscar. O filme conseguiu levar oito estatuetas, recebendo outras duas em categorias especiais (uma honorária e outra técnica), somando um total de 10 prêmios, façanha que foi superada apenas por Ben-Hur, de 1959, vencedor de 11 Oscars (embora com menos indicações que …E o vento levou, 12).

Atualmente, ao lado de Amor, sublime amor, de 1961, …E o vento levou também é o segundo filme com o maior número de Oscars ganhos, ficando atrás dos empatados Titanic (11 prêmios em 14 indicações), Ben-Hur, de 1959 (11 prêmios em 12 indicações) e O Senhor dos Anéis: Retorno do Rei, de 2003 (11 prêmios em 11 indicações)."

Em termos musicais sua grandiosidade só foi ofuscada porque ficou apenas como indicado ao Oscar de melhor trilha sonora. Mas em compensação seu lançamento em vinil é o absurdo que pode ser visto abaixo. Uma capa dupla, um encarte gigantesco, com muitas fotos e textos, e lindas músicas escritas por Max Steiner.

Infelizmente não está impresso o ano de lançamento desta edição, lançada nos Estados Unidos.
















Orfeu do Carnaval - Antonio Carlos Jobim, Vinícius de Moraes, Lyra de Xopotó

Baita disco, formado de várias versões instrumentais de clássicos de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Tudo executado pela banda "A Lyra de Xopotó", que "surgiu no programa de rádio "Lira de Xopotó" apresentado e criado pelo radialista Paulo Roberto na Rádio Nacional em 1954." Uma linda peça de música brasileira. Se o ver de bobeira por aí, agarre que vale a pena.


Smokey and the Bandit 2 (Trilha sonora)

Smokey and the Bandit 2, que no Brasil ganhou o nome de Desta Vez Te Agarro, é um filme de comédia lançado em 1980. Pela capa já dá pra perceber que as músicas contidas ali são basicamente no estilo country. Vários artistas participaram e o resultado ficou muito bom, desde a sofrência típica do estilo até aquelas pra dançar embriagado.

1. "Texas Bound and Flyin'" (Jerry Reed)
2. "Charlotte's Web" (The Statler Brothers)
3. "To Be Your Man" (Don Williams)
4. "Ride Concrete Cowboy, Ride" (Roy Rogers and The Sons of the Pioneers)
5. "Deliverance of the Wildwood Flower" (The Bandit Band)
6. "Pecos Promenade" (Tanya Tucker)
7. "Here's Lookin' at You" (Mel Tillis)
8. "Do You Know You Are My Sunshine"
9. "Again and Again" (Brenda Lee)
10. "Let's Do Something Cheap and Superficial" (Burt Reynolds)
11. "Tulsa Time" (Don Williams)
12. "Pickin' Lone Star Style" (The Bandit Band)



The Count Meets The Duke First Time!

Diretamente da fabulosa coleção do amigo Nello, esse disco veio enriquecer consideravelmente meu baú de jazz. Trata-se do encontro de duas orquestras de peso, comandadas pelos gigantes Count Basie e Duke Ellington. 

Aliás, são nomes de tamanha relevância e com títulos tão expressivos de nobreza que o rico texto da contracapa inicia com um questionamento. Afinal, quem é mais um duque ou um conde? Não importa. O que importa é que o resultado final dessas oito músicas gravadas em uma sessão única, ficou fabulosa.

Acredito que as orquestras foram gravadas em estéreo, ficando cada uma em um lado diferente nos alto falantes. Vale a pena ouvir esse lindo registro do encontro de dois gênios do jazz.





George Benson & Earl Klugh - Collaboration

Acho que sobre George Benson não é necessário escrever muita coisa, ainda mais quando ele está focado no instrumental e em colaboração com outros músicos. Sempre é coisa boa. Vide essa maravilha já comentada por aqui. 

Dessa vez, em 1987, ele se juntou com Earl Klugh, que pelo jeito gosta do Brasil, pois é sua a animada Brazilian Stomp, terceira faixa do vinil. Aliás, nosso país está também representado nessa obra pelo Paulinho da Costa, comandando com maestria a percussão.

Mas não é só. Ainda tem o monstro Marcus Miller tocando baixo e escrevendo duas músicas do disco. 

Love Story - Henry Mancini

Vou continuar de Mancini. Nesse disco ele conduz a orquestra e toca piano em duas faixas. A segunda, música tema do filme M*A*S*H, é de um groove invejável. Em sua maior parte é um funk ostentado pela bateria. Mas cai para outros climas mais amenos, principalmente quando aparece um xalálá em coro. 

Também temos aqui a composição feita para a maravilhosa trilha sonora de Borsalino, disco já comentado aqui na página. É outro ponto alto desse lançamento, com sua levada ragtime.


The Theme Scene - Mancini

Os verdadeiros gênios reconhecem o que há de bom na produção alheia. No caso de Henry Mancini, mais que isso. Ele não só valoriza o que não foi composto por ele, como toca diversas canções de outros autores. Esse disco é uma jóia! Tem músicas de diversos autores e climas absolutamente distintos, que vão de levadas funk até orquestras clássicas sem perder o poder e a elegância. Confere a lista de músicas e instrumentistas no Discogs.


Ryan's Daughter (Trilha sonora)

A Wiki em português tem uma sinopse bem resumida dessa obra: "O filme passa-se na aldeia isolada de Killary, na península de Dingle, Irlanda, durante a Primeira Guerra Mundial. Rosy é casada com Charles, um pacato professor de aldeia, mas não consegue desistir da sua avassaladora paixão por um atraente oficial inglês."

A trilha sonora, assinada pelo francês Maurice Jarre é interessante. Tem músicas bem variadas. Algumas com um bom grau de psicodelia. E esse senhor é mesmo danado. Foi indicado nove vezes ao Oscar e levou três delas, com os clássicos Lawrence da Arábia, Dr. Jivago e Passagem para a Índia.